Blog

Home / Blog / “Não deixe os fascistas falarem”, um poema de Pat Parker, em tradução de Stephanie Borges

“Não deixe os fascistas falarem”, um poema de Pat Parker, em tradução de Stephanie Borges

Um poema de Pat Parker

Tradução de Stephanie Borges

Não deixe os fascistas falarem
Nós queremos ouvir o que eles têm a dizer
Deixe-os fora da sala de aula
Todo mundo tem direito a liberdade de expressão

sou uma filha América
uma enteada
criada no quarto dos fundos
entretanto ensinada
ensinada a me comportar
nas suas salas de estar
minha cabeça dá um salto
as vozes dos estudantes
gritando
insultos ameaças
Deixe os nazis falarem
Deixe os nazis falarem
Todo mundo tem o direito
de falar
eu coloco uma criança negra
com pernas hidratadas com óleo
numa escola negra
numa parte negra da cidade
olho para professora negra
a Declaração de direitos
garante
a todos nós o direito
minha cabeça
recorda canta
artigo I artigo I
& minhas entranhas reviram
elas se lembram
a professora negra
na escola negra
numa parte negra
de uma cidade muito branca
que nos parou
quando nós atacamos
o diretor marionete
o conselho branco
de desEducação
despacha livros
ilustrados com
desenhos &
palavras de sabedoria
escritos por brancos
crianças na
outra parte da cidade
dão falta de páginas
caricaturas
de pretos linchados—
a declaração de direitos
foi escrita para
nos
proteger

minha cabeça recorda
& minhas entranhas reviram
conjuram imagens
polícia
dispersam
manifestações ilegais
assembleias ilegais
conjuram a imagem
de um Pantera Negra
se um Zé Mané
tentar nos parar
nós pararemos ele

conjuram imagens
desse mesmo homem negro
indo para a cadeia
por ameaçar
a vida do
PRESIDENTE
todo cidadão
tem direito à
liberdade de expressão
minha cabeça recorda
& minhas entranhas reviram
conjuram imagens
de judeus em campos
de homossexuais em campos
de socialistas em campos
Deixe os nazis falarem
Deixe os nazis falarem
caras
uma sala de aula
universitária
Você também está sendo fascista.”
Nós queremos ouvir o que
eles tem a dizer

caras
numa sala de aula universitária
jovens caras brancas
falam deixe eles falarem
falam deixe eles falarem
Negros, judeus alguns brancos
pegam o megafone
Nós não queremos ouvir
sua retórica socialista

retórica socialista
retórica
da sobrevivência
a suprema corte
diz que é ilegal
gritar fogo
num teatro lotado
gritar fogo
num teatro lotado
cria pânico as pessoas
correm e machucam umas às outras
minha cabeça recorda
e agora eu sei
o que minhas entranhas
dizem
é ilegal provocar
as pessoas
o pânico
correr
machucar
não há
contradição
o que os nazis dizem
fará com que
as pessoas
ME
machuquem.

> Ouça Pat Parker lendo o poema. 

Don’t let the fascist speak.”
We want to hear what they have to say.
Keep them out of the classroom.
Everybody is entitled to freedom of speech.

I am a child of America
a stepchild
raised in the back room
yet taught
taught how to act
in her front room.
my mind jumps
the voice of students
screaming
insults threats
“Let the Nazis speak”
“Let the Nazis speak”
Everyone is entitled
to speak
I sit a greasy-legged
Black child
in a Black school
in the Black part of town
look to the Black teacher
the Bill of Rights
guarantees
us all the right
my mind
remembers chants
article I article I
& my innards churn
they remember
the Black teacher
in the Black school
in the Black part
of the very white town
who stopped
when we attacked
the puppet principal
the white Board
of mis-Education
cast-off books
illustrated with
cartoons &
words of wisdom
written by white
children in the
other part of town
missing pages
caricatures
of hanging niggers —
the bill of rights
was written to
protect
us

my mind remembers
& my innards churn
conjures images
police
break up
illegal demonstrations
illegal assemblies
conjures images
of a Black Panther
if tricky Dicky
tries to stop us
we’ll stop him

conjure image
of the same Black man
going to jail
for threatening
the life of
THE PRESIDENT
every citizen
ins entitled to
freedom of speech
my mind remembers
& my innards churn
conjure images
of jew in camps
of homossexuals in camps
of socialists in camps
Let the Nazis speak
Let the Nazis speak
faces in a college
classroom
You’re being fascist too.”
We want to hear what
They have to say

faces in
a college classroom
young white faces
speak let them speak
speak let them speak
Black, jews some whites
seize the bullhorn
We don’t want to hear
your socialist rhetoric

socialist rhetoric
survival
rhetoric
the supreme court
says it is illegal
to scream fire
in a crowded theater
to scream fire
in a crowded theater
causes people to panic
to run to hurt each other
my mind remembers
& now i know
what my innards
say
illegal to cause
people
to panic
to run
to hurt
there is
no contradiction
what the Nazi say
will cause
people
to hurt
ME.

_______

Pat Parker (1944–1989) é uma poeta americana negra lésbica feminista. Nasceu no Texas e depois mudou-se para a Califórnia. Casou-se duas vezes e teve filhos antes de se declarar lésbica e ter relacionamentos duradouros até sua morte causada por um câncer.  Suas ações como ativista envolviam o combate à violência doméstica, direitos para pessoas LGBTs e o combate ao racismo. O poema Don’t let the fascist speak está no livro “Liberations front”.

Stephanie Borges é jornalista, poeta e tradutora, autora de “Talvez precisemos de um nome para isso” (Cepe, 2019). Conheça mais sobre os trabalhos em (https://medium.com/@stephieborges).